Psicóloga Adriana Fernandes » Pais e filhos » Autoestima infantil: Aquilo que com o coração se tece, a alma jamais se esquece

Autoestima infantil: Aquilo que com o coração se tece, a alma jamais se esquece

Por Adriana Fernandes   |   Publicado: 19/05/2018 às: 10:49   |   Atualizado: 03-10-20 às: 10:17

Autoestima  está relacionada ao quanto uma criança se sente amada e valoriza.

Autoestima infantil

 

A família é o primeiro grupo social em que a criança irá se relacionar. Os pais são os primeiros “professores” que irão ajudar a criança a dar os seus primeiros passos e acompanhar todo o seu desenvolvimento físico, social e emocional.

É nas experiências de troca, na construção do vínculo,  no diálogo do dia a dia, na escuta, no incentivo nos dias bons e ruins, que os pais poderão contribuir de forma positiva na construção do desenvolvimento da autoestima .

Enriquecer essa relação e contribuir na construção de um ambiente sadio onde a criança possa se desenvolver é responsabilidade de cada pai e de cada mãe que deseja que o seu filho cresça de forma saudável.

Entender que essa responsabilidade começa com vocês e que vocês são o modelo  em que a criança irá se espelhar já é um bom começo.

 

 Falando em “modelo”… Como anda sua autoestima?

 

Primeiramente, para criar filhos com autoestima, é preciso que os pais pensem sobre as suas próprias. De que maneira (os pais) se veem no mundo? Sentem-se valorizados pelo que são? Como costumam lidar com suas angústias e frustrações do dia a dia? Têm confiança e independência para tomar decisões?

Quanto mais os pais e cuidadores estiverem bem emocionalmente, compreendendo e sabendo lidar com as próprias emoções, melhores condições terão de desenvolver a autoestima na criança.

 

Autoestima : Tudo começa com o amor…

 

O Amor vem recheado de um monte de ingredientes, carinho, empatia, gentileza, responsabilidade, altruísmo, cuidado, atenção e muitos outros.

É importante que os pais entendam que não basta amar a criança é preciso certificar-se de que a mesma se sinta amada, valorizada pelo  que ela é e não somente pelo que ela faz.

Muitas vezes os pais ficam atentos apenas aos maus comportamentos da criança para logo disciplina-las, mas se esquecem de que assim como é importante estabelecer os limites também é interessante reconhecer o esforço dos pequenos, suas conquistas por menores que sejam.

Por exemplo, ás vezes o bom desenvolvimento do filho na escola é visto como uma obrigação, porém elogiar o esforço da criança faz com que ela se sinta autoconfiante, o que também aumenta a sua autoestima.

O interessante é reforçar o comportamento de estudar, parabenizando a criança pelo seu esforço. Com isso ela aprenderá que  quando nos esforçamos podemos conquistar o que tanto almejamos.

Quando as coisas não saírem como programado acolha-o. Ofereça para revisar a matéria com ele.

 

Incentive a criança

 

Incentive-o e permita que ele perceba que ele tem o seu amor e o seu amparo independente de qualquer coisa. É o que chamamos de amor incondicional. Contudo, é preciso entender que amar uma criança incondicionalmente não significa deixa-la fazer o que quiser. A criança necessita de disciplina e limites para que possa ter um bom desenvolvimento.

 

O que é autoestima infantil e por que ela é tão importante?

 

Autoestima é quando gostamos de nós mesmos e assim aprendemos a nos valorizar. Entendemos quem somos e sabemos do nosso próprio valor. A autoestima não nasce com a criança ela precisa ser desenvolvida durante todo o seu desenvolvimento até a fase adulta.

Uma criança que possui autoestima tem melhores condições de enfrentar as dificuldades da vida porque tem consciência do seu valor e do seu lugar no mundo.Saberá lidar com mais facilidade com as críticas e com as frustrações pelas quais poderá vir a passar.

A criança, apesar de ter consciência da importância do outro, da construção de boas relações não desenvolverá um sentimento de dependência, pelo contrário, se tornará independente porque tem convicção do seu valor.

 

O que é fundamental para o desenvolvimento da autoestima?

 

 Para um melhor desenvolvimento da autoestima é importante que os pais desenvolvam uma boa comunicação com os filhos. Um diálogo rico e respeitoso com as crianças também é uma maneira de desenvolver a autoestima nos pequenos.

Os pais devem procurar dar importância à pessoa da criança e não apenas ao seu comportamento.

Por exemplo: “Você me deixou feliz com sua nota de matemática” é melhor que “Suas notas de matemática me deixaram muito feliz.”.

Essa maneira de comunicar é que melhor desenvolve a autoestima, uma vez que dá destaque á pessoa e não ao seu comportamento. Atitudes assim fazem com que a criança se sinta útil e valorizada.

 

Para refletir…

 

O que você tem tecido ou escrito no coração do seu filho?

Dispõe de tempo para estarem juntos e conversar sem pressa, sem preocupações, sem esperar que o tempo passe logo?

Tem estabelecido regras e limites para que ele se sinta seguro e bem orientado?

Dá a eles atenção, carinho sem exigir nada em troca?

Costuma pedir desculpas quando percebe que foi injusta (o) em suas colocações?

 

Que legado você pretende deixar para o seu filho?

 

Muitas questões para se pensar não é mesmo? Refletir sobre o assunto é de suma importância, pois, é uma maneira de poder parar para observar em que momento da vida a gente se encontra e onde pretendemos chegar ou por onde desejamos caminhar com os nossos filhos.

 

 “Sabemos que não existem pais perfeitos, mas vocês precisam ser um bom referencial para seus filhos”.

 

Muitas vezes, os pais se sentem culpados por não serem os “genitores perfeitos” que gostariam de ser. A questão é que não existem pais perfeitos, aliás ninguém  é perfeito.

Os pais precisam sim ser um exemplo positivo para os filhos para que os mesmos tenham alguém em que possam confiar. Alguém que irá ama-los e servir como uma “bússola” para eles… Os pais irão errar muitas vezes, porém, o mais importante é que tenham consciência e firmeza em suas decisões.

 

Autoestima é um sentimento que é construído através das nossas relações

 

É justamente a família, o primeiro grupo social em que a criança irá se relacionar que terá a função de desenvolver tal sentimento na criança.

Por isso, é importante que os pais, respeitem, elogiem de maneira sincera e incentive a criança diante dos obstáculos para que a mesma sinta-se valorizada, mais confiante e com isso aprenda a valorizar a si próprio e as outras pessoas.

Sabendo do seu valor a criança também aprende a valorizar o outro, criando assim um sentimento de empatia para com o próximo.

Nessa caminhada, vale lembrar que os pais sempre terão um papel de suma importância e  devem estar atentos as suas próprias emoções, sempre reflitam sobre sua maneira de educar e quais as áreas de suas vidas que necessitam de uma mudança.

 

Aprendam com os seus filhos, estejam atentos a sua maneira de ser, de se comportar

 

Conheçam mais sobre suas crianças, seus gostos, suas vontades e assim vão adquirindo uma maior segurança em como lidar com os seus filhos.

Quanto mais sabemos do outro, quanto mais íntimos somos de alguém, maior segurança teremos em ajuda-los em qualquer situação.

Construa um vínculo de amor, carinho e ternura com o seu filho.

O que com amor no coração se tece… A alma jamais se esquece!

 

Referências Bibliográficas:

 

Corkille Briggs,D.Autoestima do seu filho. São Paulo,2002.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe o seu comentário!*

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. LEIA OS TERMOS DE USO.

  • Especialidades

  • Pais e filhos

  • Autoconhecimento

  • Projetos

  • Contato

  • Adriana Fernandes da Silva
    CRP 04/39812

     

    Tel.: |31| 9 9722-0257

     

    Rua dos Guajajaras, 880
    sala 1701
    Lourdes
    Belo Horizonte – MG

     

    ATENDIMENTO

    Quintas-feiras
    das 08:00 as 12:00 e das 13:30 as 18:00.
    Sextas-feiras
    das 14:00 as 17:00.

     

     

  • Redes sociais

  • Facebook
  • Nome
    E-mail
    Telefone
    Mensagem

    Copyright © 2017-2020 - Psicóloga Adriana Fernandes