Psicóloga Adriana Fernandes » Autoconhecimento » Como desenvolver autoestima?

Como desenvolver autoestima?

Por Adriana Fernandes   |   Publicado: 01/07/2020 às: 19:08   |   Atualizado: 16-08-20 às: 22:02

Autoestima é fundamental para uma vida mais equilibrada e feliz.

Autoestima

O que vem a sua mente quando você pensa em autoestima? Acredita que autoestima está relacionada a apenas  se sentir bonita? O  que é possível fazer para melhorar a autoestima? Será que ter mais roupas e sapatos bonitos, ter condições de viajar várias vezes ao ano, resolveria a questão?

Não estou dizendo que essas coisas não são importantes. O que quero dizer é que autoestima  tem a ver com outras questões,não é sobre ter isso ou aquilo, é sobre a  maneira como  você se sente e se vê como pessoa.

É partindo desse ponto que vamos dar início a nossa conversa.Preparados?

 

O que é autoestima?

 

Autoestima é um termo muito falado ultimamente, mas o que vem a ser autoestima e como posso desenvolvê-la?

A autoestima é um sentimento que está relacionado ao quanto você se atribui valor. É a  convicção que você tem da sua importância como pessoa.

É importante compreender que ninguém nasce com sentimento de autoestima, porém nascemos com o potencial para desenvolvê-la.

 

A autoestima começa a ser desenvolvida ainda quando crianças nas nossas primeiras relações sociais.

 

Em seu documentário,  Michelle Obama  quando perguntada sobre como  fez para que se sentisse bem e pudesse lidar com essa questão de ser vista? Ela disse que primeiro foi vista pela sua família. Nas conversas que tinha com seus pais. Como se dá isso?

A família é o nosso primeiro grupo social, nossa primeira escola e é nela que aprendemos a nos relacionar emocional  e socialmente. É a nossa base. Nosso primeiro modelo.

Quais são suas lembranças da infância? Você se sentiu amado, valorizado, mesmo se comportando de maneira que seus pais desaprovavam?

Você recebia atenção apenas quando fazia algo que seus pais aprovavam? Seus pais lhe deram limites? Você era incentivado a lidar com as frustrações? Seus pais te apoiavam? Você era uma criança verdadeiramente vista por sua família?

 

A autoestima é um sentimento que está muito relacionado a qualidade das nossas relações sociais.

 

Pense na construção de uma casa. Qual a primeira parte da casa que precisa ser muito bem construída, pois dela depende toda a estrutura da casa?O alicerce não é mesmo? Se uma casa não tem bons alicerces toda a sua estrutura pode vir a estar seriamente comprometida.

A família é a nossa base. O nosso alicerce. É justamente lá o primeiro lugar onde aprendemos a sermos vistos, valorizados. Por isso, a questão não é se os pais amam os filhos, mas se eles se sentem amados.

Ter essa percepção em relação aos filhos é muito importante, pois serve de bússola para os pais compreenderem como se deve chegar ao coração de uma criança.

Não basta encher uma criança de elogios. É preciso dar a ela condições favoráveis para que ela desenvolva suas competências. Isso significa que se deve-se respeitar a criança e enxerga-la como alguém que também tem suas vontades.

Nem sempre essas vontades poderão ser atendidas, mas  obrigar a criança a fazer somente o que queremos, pode se tornar perigoso. Toda criança precisa de amor e cuidado, mas também de regras e limites.

 

Não tive uma família que  possibilitou-me desenvolver minha autoestima. O que faço agora?

 

É muito comum, pessoas aparecerem no consultório com queixas de baixa autoestima. Os sentimentos descritos pelas mesmas são de inadequação, não se sentir bonita principalmente se tratando de mulheres, não se sentir capaz ou não amada  e valorizada em suas relações.

Ter baixa autoestima não apenas influência a visão que você tem sobre si mesmo, mas também a maneira como você se relaciona com os outros. Ao sentir-se inferior à pessoa pode vir a pensar que não é uma pessoa interessante, inteligente, ou até mesmo que os outros não a valoriza, podendo até culpar as outras pessoas. Comportamentos assim,pode fazer a pessoa perder muitas oportunidades.

O que pode fazer um adulto que reconhece que não viveu em um ambiente que lhe favoreceu o desenvolvimento de sentimentos de autoestima? O que fazer? Como é possível mudar isso?

Antes de responder a  essa pergunta, é importante compreender que ter autoestima não irá fazer você se sentir bem o tempo todo, ou se sentir capaz em todas as situações , e sim que apesar de todas as suas limitações, você não deixa de acreditar  no seu potencial.

É preciso que você entenda a sua história. O porquê você se vê de determinada maneira, e como tais sentimentos foram tomando conta da sua vida, e, a  partir daí procurar desenvolver habilidades que favorecem a sua autoestima.

 

Quais seriam essas habilidades?

 

*Entenda sua história e procure descobrir como você começou a pensar e agir de determinada maneira. Como você pode mudar algo que desconhece? Por isso o autoconhecimento é fundamental.

 

*Construa relações que favorecem sua autoestima. As pessoas que você convive acreditam no seu potencial? Respeitam sua opinião? Te amam e te valorizam, mesmo quando você não supera as expectativas delas?

 

*Cuidado ao ser guiado apenas por seus sentimentos. Se você se esquiva sempre de qualquer situação que lhe traga algum desconforto, você poderá perder grandes oportunidades.  Há situações que sentiremos medo, insegurança, ansiedade. Isso é normal. Não significa que só porque você está sentindo,você deve desistir dos seus projetos. É necessário quebrar essas barreiras para seguir adiante, e só conseguimos fazendo isso, nos permitindo enfrentar tais situações e seguir.

 

*Desenvolva suas habilidades sociais e competências. Tem dificuldades de falar em público? Sente dificuldades em estar em ambientes com mais pessoas? trabalhe essas questões. Tudo que precisamos desenvolver precisamos praticar.

 

*Seja você mesmo. Desejar ser o que o outro espera que você seja é uma armadilha perigosa. Você nunca irá se sentir valorizado e amado o suficiente.

 

Não podemos mudar a nossa história, mas podemos escolher trilhar um novo caminho. Ás vezes, damos ouvimos tanto os nossos pensamentos que passamos a ser guiados completamente por eles e nem sempre tais sentimentos são confiáveis. Questione sempre os pensamentos negativos de que você não é capaz ou coisas desse tipo.

A autoestima, está mais relacionada ao que se faz do que o que se sente, portanto, não seja escravo dos seus sentimentos. Desafie-se e vá em busca dos seus objetivos.

 

 

Referências bibliográficas:

Silva, A. A;  Marinho, G. I. Autoestima e relações afetivas.

Minha História. Direção: Nadia Hallgren. Elenco : Michelle Obama.

 

 

Deixe o seu comentário!*

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. LEIA OS TERMOS DE USO.

  • Especialidades

  • Pais e filhos

  • Autoconhecimento

  • Projetos

  • Contato

  • Adriana Fernandes da Silva
    CRP 04/39812

     

    Tel.: |31| 9 9722-0257

     

    Rua dos Guajajaras, 880
    sala 1701
    Lourdes
    Belo Horizonte – MG

     

    ATENDIMENTO

    Quintas-feiras
    das 08:00 as 12:00 e das 13:30 as 18:00.
    Sextas-feiras
    das 14:00 as 17:00.

     

     

  • Redes sociais

  • Facebook
  • Nome
    E-mail
    Telefone
    Mensagem

    Copyright © 2017-2020 - Psicóloga Adriana Fernandes